26 de março de 2016

A Casa nº12, a Casa Encantada. por Eliane Farias Remigio Marques


A Casa e o Ciclo da Vida ou o Ciclo da Vida da Casa

A Casa nº. 12 nasceu para acolher, ser lar da família Farias Remígio. Assistiu ao nascimento de metade dos filhos dos proprietários e assistiu também à partida destes. Testemunhou o dever cumprido de cada um deles, mas acima de tudo o quanto aqui foram felizes com seus rebentos.

Assim como viu seus proprietários encerrarem o papel nessa vida, agora ela, já com sinais de cansada, gasta pelo tempo, “este senhor forte ditador, autoritário que comanda tudo”, segundo Ozanira, é chegada a sua hora de mudar seu papel social.

Vai casa nº. 12! Segue teu novo caminho! Libero-te para partir e recomeçar com nova função! Cumpriste teu papel de garantir segurança, proteção à família que abrigaste desde 1961. Não foste apenas uma edificação, foste sim, um lar carregado de amor, praticado diariamente.

Deixarás somente lembranças boas e saudades de momentos bons, estruturadores, de prática diária do amor e da partilha, seja com os que abrigaste, seja com aqueles que para este lar se dirigia.

Vai em paz! Pois continuaremos nos amando, nos encontrando e celebrando a vida, afinal, conforme muito bem lembrava Ozanira, são três etapas na vida “Nascer, VIVER e morrer”.

Despedida da Casa nº.12 no dia 19/03/2016, dia de São José e aniversário de casamento dos proprietários, meus pais, Claudionor e Ozanira.

2 comentários:

  1. Este relato (quase crônica) de despedida da casa nº12 que abrigou os Remígios,feito pela prima Eliane, num raro extremo de inspiração, nos leva, custodienses alhures a voltar no tempo e na vida de uma época em que éramos felizes e não sabíamos. A doçura de Claudionor e a mão decidida da prima Ozanira, geraram o clã dos Remigios que tanto orgulha nossa terra.
    Fernando Florencio
    Ilhéus\Ba

    ResponderExcluir
  2. Uma casa não é apenas telhado, paredes, portas, janelas e chão. Uma casa tem memórias, suas histórias e presenças. Mesmo vazia, ela está repleta de personagens. Ecoa em suas paredes a primeira palavra balbuciada e quem sabe: o ultimo suspiro. Dizem que parede tem ouvidos, é verdade. Elas escutam os murmúrios das preces, gemidos de dores e de amor. Ouvem conversas que falam das crises e de bonança. Ouvem o som cristalino dos risos e prantos de dor. Escutam canções, palavras de amor, brigas e pedidos de perdão.
    O telhado conhece segredos das quatro estações, as intempéries das tempestades e as alegrias de uma noite de verão. Portas e janelas são guardiões de sonhos, anseios, fracassos, tristezas e alegrias. Zelam os segredos e preservam a intimidade. O chão serve de base para quem dá a primeira passada e ele conhece pela pisada quanto existe pressa ou mansidão. Por tudo isso, concordo com Kalil Gibran quando ele diz: “ A casa é nosso corpo maior”.
    Também lembro quando a Casa Nº 12 foi reformada para abrigar a família Farias Remígio, ela ficava no caminho do Grupo Escolar General Joaquim Inácio onde eu estudava e o Sítio de Dona Anita onde eu morava. Uma vez por outra eu entrava lá para ver se estava pronta para a família mudar. Lembro que alguém comentou que o pé direito era muito alto e seria gasto muito cal na pintura... Finalmente quando isso aconteceu, a casa ficou linda. Osanira colocou na sala uma cortina cor de goiaba e um Sagrado Coração de Jesus de gesso com uma base de madeira. Lembro quando a família cresceu e foi preciso aumentar um quarto que fica em cima da ladeira, lá tinha um janelão e a vista era linda, dava para ver a serra
    Vi a chegada de uma princesinha que recebeu o bonito nome de Eliane. Depois de tantos meninos sua chegada foi motivo de alegria. Vi o galeguinho Sérgio Murilo ensaiar seus primeiros passos e cair nos batentes da cozinha. Também fui conhecer a caçula Ana Claudia um dia após seu nascimento. Era um sete de setembro.
    Na Casa Nº 12 fui bem acolhida por sua dona. Sempre alegre me oferecia um docinho ou um café. Osanira era uma mulher a frente de seu tempo. Dizia: “reclamam das sogras, eu não falo mal da minha, sou grata, pois ela fez Claudionor para mim”. Ela era minha conselheira e grande amiga. Ficávamos horas conversando com ela enquanto ela pintava tecidos e como ela dizia: ‘organizava” os riscos .
    Não cheguei a conhecer o Osanira’s Club, mas estive presente cada vez que o pavão misterioso passou por lá. A casa Nº 12 também é parte da minha história e o tempo não irá desgasta-la. Ela foi edificada dentro de nós com amor e laços indestrutíveis.


    ResponderExcluir