01 julho, 2022

Custodiense ganha nome de rua no Rio de Janeiro


Paulina Góis foi a matriarca da Família Florêncio. A rua fica em Nova Iguaçu (RJ) no bairro Jardim Alvorada. Um loteamento lançado pela Pajeú Construções, de Arcoverde, cujo Administrador foi Paulo Florêncio, filho de Catonho Florêncio, ambos falecidos. Este loteamento se constituiu numa cidade paralela, pela grandeza do empreendimento. (Fernando Florêncio)

5 comentários:

  1. Paulo.
    Obrigado pela referência a "Mãe" Paulina.
    Entretanto a foto da placa da rua não foi visualizada.
    Abrs.
    Fernando

    ResponderExcluir
  2. Vanuzia Bezerra - São Paulo.22 de julho de 2012 20:57

    Hoje, 22 de julho de 2012, custódia recebeu o corpo para sepultamento em sua terra querida de Dona Rosa Goes, vindo de Mato Grosso, onde morava com sua filha Lúcia Goes. Dona Rosa por décadas, dedicou-se a educação, inclusive de minha época de criança e adolescência, no General Joaquim Inácio, como diretora. E no padre Leão, nossa mestra dedicada a nós alunos e aos filhos Lúcia e Luciano. A eles o nosso abraço e nossas condolências estendidas aos familiares.

    ResponderExcluir
  3. Vanuzia Bezerra - São Paulo.26 de julho de 2012 14:15

    Maria Alves de Goes, matriarca da família Alves de Moraes, "Madrinha Lica" para netos e bisnetos. Casada com Manoel Alves de Moraes, "Manoel de Zuza". "Zuza" era avô de mamãe, dona Mena.
    Adalto Alves de Moraes, meu avô, era da Serra de Zuza. A Serra até hoje pertence à família.
    Antônia Alves de Queiroz, minha avó, era da Serra da Canastra, Lagoinha, Sabá...Filha de Leôbina Maria da Conceição, "Madrinha Bileu" para netos e bisnetos, e Francisco Leonardo de Queiroz.
    Maria Goes, irmã de Julia Goes do Lamarão que é mãe de Anália que é mãe de "Zefinha de Bidó", irmã também de, Quitéria mãe de "Nozinho", e "Sinhozinho" pai de Beatriz Alves de Goes "Dona Preta".
    Da descendência Índia, o berço Lamarão, algumas representantes: Maria Lula em Cacimba nova, hoje Fátima, Laura, Aurelina, Jovelina, Dulce, Neta, Edna Goes, Cleide, Mana, Marli, Lúcia, e muitas, "Rosas".

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vanúzia.
      Ñ sei se é do seu conhecimento. Mas a doce "Zefinha de Bidó" ñ está mais entre nós.Partiu para o andar de cima o ano passado.
      Fernando Florêncio
      Ilhéus/Ba

      Excluir
  4. Vanuzia Bezerra - São Paulo.31 de julho de 2012 16:04

    Fernando, não sabíamos da morte de Zefinha. Lamentamos, assim como ainda estamos a lamentar a morte da prima Maroquinha. Mas essa é talvez a única certeza para todos nós.
    Com respeito a dona Rosa era sim irmã de Sebastião Alves de Goes e Domingos Alves de Goes, filhos de Aureliano Simplício de Goes e Francisca Goes "Dona Chiquinha".
    Já sobre o tio Catonho, quando foram embora de Custódia, passamos a morar na casa deles e dona Gercina deixou quadros, cortinas e vários outros objetos. Nossos vizinhos eram: Madrinha Oscarina e Adamastor. Do outro lado havia o chalé de dona Nita e foi lá que nasci. Meu irmão Petrônio nasceu na casa de tio Catonho. Havia um beco entre a casa de tio Catonho e o chalé, e poderíamos dar nome ao beco de Luiz Henrique, foi ele o morador seguinte, primo de mamãe por parte dos Rodrigues de Sabá, Canastra, Lagoinha...
    O beco da difusora pertenceu ao meu tio Amâncio e Leurice, sua esposa, nos anos 50, tinham loja de tecido antes de Severino Pinheiro. E a outra esquina de "seu Duda", pai de Adamastor, que se dizia primo do meu tio Amâncio, por parte de meu bisavô: Francisco Leonardo de Queiroz, que ele chamava de "tio Chico".
    Tive a felicidade de ouvir muitas histórias de Abílio Duarte, que também era primo de mamãe, assim como João Nicolau e Ginaldo.

    Felicidades!

    ResponderExcluir