12 de julho de 2016

Funcionários da Chesf, Banco Central e auditores da Receita Federal em greve



Trabalhadores da Companhia Hidrelétrica do São Francisco (Chesf) realizam assembleia hoje para decidir se mantêm a paralisação por tempo indeterminado. O movimento, iniciado ontem, é organizado pela Federação Nacional dos Urbanitários (FNU), que representa os funcionários dos setores de energia, saneamento, meio ambiente e gás. Os mais de quatro mil servidores da Chesf em Pernambuco pedem reajuste salarial de 9,28%, mudança da data-base do salário para setembro e abono no valor de R$ 2 mil de tíquete refeição. A estimativa do Sindicato dos Urbanitários de Pernambuco (Sindurb–PE) é de que 95% dos funcionários paralisaram as atividades ontem.

Com isso, a tensão cresce na companhia, que enfrenta problemas para fazer a manutenção do sistema elétrico, devido a bloqueio de R$ 490 milhões relativos aos aditivos da obra da Usina Hidrelétrica de Xingó. “Sofremos riscos de apagão, porque o sistema está sem manutenção. A Chesf não tem dinheiro para comprar peças de reposição. Para manter os serviços essenciais, a equipe de operações continua trabalhando”, garante o diretor do Sindurb–PE, Fernando Neves.

Na semana passada, a categoria cruzou os braços por 72 horas pela campanha salarial. A proposta mais recente da Eletrobras foi de reajuste de 5%. Na próxima quinta-feira (14), ocorre uma nova rodada de negociações entre as centrais sindicais e a Eletrobras. A Chesf não se pronunciou sobre o assunto.

Já os trabalhadores da Companhia de Saneamento de Pernambuco (Compesa) encerraram ontem a greve deflagrada na última sexta-feira. Em audiência de conciliação com o Tribunal Regional do Trabalho (TRT), a empresa concordou em conceder aumento de 9,83% retroativo a maio.

BANCO CENTRAL: Os técnicos do Banco Central (BC) paralisaram as atividades ontem e vão seguir de braços cruzados hoje em defesa da modernização da carreira, com a modificação do critério de acesso ao cargo de técnico de nível médio para superior. O projeto de lei da Câmara 36/2016, que prevê, além do reajuste da categoria, a modificação do critério de acesso ao cargo de técnico, está em tramitação no Senado. No último dia 6, a Comissão de Constituição e Justiça aprovou destaque para votação em separado das emendas que previam a exigência de nível superior para acesso ao cargo de técnico do BC, do Tesouro Nacional e do Ministério do Controle e Transparência.

Segundo o Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central (Sinal), caso o Senado aprove o projeto sem a obrigatoriedade do nível superior, a matéria voltará à Câmara dos Deputados e não haverá tempo suficiente para deliberação antes do recesso parlamentar, que começa no próximo domingo. De acordo com o sindicato, isso comprometerá a primeira cota do reajuste.

AUDITORES: Os auditores fiscais da Receita Federal também decidiram que vão cruzar os braços dois dias por semana, a partir desta quinta-feira. Nas aduanas, será adotada operação padrão. O movimento é contra a demora do governo para encaminhar ao Congresso o projeto de lei que trata do reajuste salarial da categoria, elaborado em março. Pelo acordo, o governo iria conceder um reajuste de 21,3% na remuneração básica dos auditores ao longo de quatro anos, além de uma bonificação fixa de R$ 3 mil até o fim do ano. Por enquanto, não há nenhuma nova reunião agendada com representantes do governo. (Via: G1 / PE Notícias)

Nenhum comentário:

Postar um comentário