12 de fevereiro de 2016

Aedes aegypti pode transmitir doença em animais domésticos


Uma doença silenciosa e pouco conhecida pode ser uma ameaça aos animais domésticos que viajam especialmente para regiões litorâneas, interior e em áreas com matas e lagos. É a dirofilariose, popularmente conhecida como “verme do coração”.

“A doença é transmitida em cães, com baixa incidência em gatos, por meio da picada de um mosquito infectado. Quando o mosquito pica um animal doente, passa o parasita para corrente sanguínea, que se aloja no cão por um tempo até seguir ao coração, onde crescem, levando alterações importantes no órgão, nas veias e artérias, causando até a morte”, explica Rodrigo Monteiro, professor do curso de Medicina Veterinária da Universidade Anhanguera de São Paulo.

Os mosquitos podem ser da mesma família da dengue e vivem em todo o litoral do Brasil, mas também são encontrados em regiões do interior. Esse é apenas um dos insetos transmissores. “Cidades do litoral de São Paulo como Bertioga, Peruíbe e São Sebastião, Guarujá, além de todo o estado do Rio de Janeiro e Nordeste são consideras áreas endêmicas, onde mais ocorre a transmissão”, conta o médico veterinário.

Sintomas

A doença é considerada silenciosa, pois dificilmente o animal demonstrará sinais clínicos após a picada. “Há estudos que afirmam que até 85% dos cães contaminados não apresentam sintomas até o estágio avançado da doença, ou seja, pode conviver com o verme durante anos sem apresentar qualquer sinal”, alerta Rodrigo.

Quando o verme atinge a idade adulta ele provoca nos cães dificuldade de respirar, cansaço, tosse e perda de peso, sintomas de insuficiência cardíaca, podendo levar a morte. “Assim que os sintomas forem observados é preciso buscar ajuda de um Médico Veterinário, que pedirá exames laboratoriais e de imagem para identificar o verme”, ressalta.

Tratamento

Como a doença geralmente já é diagnosticada em estágio avançado, o tratamento devido traz risco, uma vez que a morte dos vermes pode resultar em embolia pulmonar e morte.

Prevenção

Aos animais que vivem ou frequentam praias, represas, rios e lagos precisam ter cuidado redobrado. “A prevenção pode ser feita com uso de medicamentos de uso contínuo, tomados uma vez por mês”, explica.

Sobre o Hospital Veterinário da Universidade Anhanguera

Considerado um dos melhores do país, o hospital-escola serve de campo de estágio para os alunos do curso de Medicina Veterinária das Universidades da Anhanguera de São Bernardo do Campo e Santo André, sempre supervisionados por médicos veterinários.

O Hospital realiza atendimento clínico-cirúrgico a pequenos (cães e gatos) e grandes animais (cavalos e bois, mula, burro, jumento, cabras e bodes). São realizados exames complementares e laboratoriais (como hemograma, bioquímico, urinálise entre outros), raio x e ultrassonografia. Os alunos e os docentes atuam na rotina ambulatorial, realizando exames clínicos de pacientes, indicação e aplicação de tratamentos e todas as atividades da rotina de um hospital veterinário.

Informações: Daniela Nogueira

Nenhum comentário:

Postar um comentário